ATENÇÃO Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre o uso de cookies.

Acesso myCasaYES
Introduza os seus dados de acesso
entrar Acesso Negado!
» Recuperar password
Recuperar Password
Introduza o seu e-mail de acesso
  • »
  • »
  • »
  • »
  • »
sessão de comparação:
» Nova sessão
título da sessão: » Sessão existente
adicionar
Por favor preencha os campos obrigatórios
Registe-se no myCasaYES
Vantagens de ser um utilizador registado:
  • » Possibilidade de criar multiplas sessões de comparação em paralelo
  • » Possibilidade de adicionar imóveis a diferentes sessões de comparação já existentes
  • » Possibilidade de editar/customizar sessões de comparação
  • » Outras vantagens
  • » Registar / Entrar
Acompanhe-nos YouTube Vimeo

Localização:

Clique no mapa ou escreva o distrito, o concelho e/ou a freguesia
ToBuy Fields
ToRent Fields
ToVacationRent Fields
ToOtherBusiness Fields
menos opções
PT EN ES

Notícias

Lista das últimas novidades imobiliárias

Fundos de investimento já perderam 1,5 mil milhões devido ao vírus. Imobiliário resistiu

Fundos de investimento já perderam 1,5 mil milhões devido ao vírus. Imobiliário resistiu

29/04/2020

Há 11 meses que não havia tão pouco dinheiro nos fundos mobiliários e imobiliários. A principal causa foi a desvalorização das ações, enquanto obrigações e imobiliário mantiveram os fundos à tona.

Os fundos de investimento em Portugal perderam 1,5 mil milhões de euros só em março. Esse foi o mês em que o coronavírus chegou ao país, levando parte da economia a parar e gerando stress nas ações e nas obrigações. Apesar de desvalorizações e resgates espelharem essas tensões, o imobiliário foi o resistente.
O valor sob gestão dos organismos de investimento coletivo em valores mobiliários totalizou 11.455,0 milhões de euros, em março, segundo dados da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM). O montante representa uma perda de 1.452,7 milhões, ou seja 11,3% face a fevereiro.
“Penso que foi muito afetado pelas desvalorizações do mercado. Mais do que por resgates”, considera Virgílio Garcia, CEO da Sixty Degrees. Recém-chegada ao mercado português no início do ano, a gestora de ativos captou clientes, mas os atuais cinco milhões de euros em ativos sob gestão deixam-na atrás no objetivo de atingir 100 milhões a três anos.
“Após três meses de testes, começámos oficialmente em janeiro e aconteceu logo uma crise muito complicada. Agora, as coisas estão mais calmas, mas o que aí vem, em termos económicos, não vai passar assim tão rápido“, defende Garcia. Por considerar que o mercado estava à frente dos fundamentos, o CEO reduziu a exposição a ações a quase zero e conseguiu, assim, diminuir a perda: no primeiro trimestre desvalorizou menos de 1% e, desde então, já alcançou a linha de água.
Jerónimo Martins é o título preferido p

Os fundos de investimento em Portugal perderam 1,5 mil milhões de euros só em março. Esse foi o mês em que o coronavírus chegou ao país, levando parte da economia a parar e gerando stress nas ações e nas obrigações. Apesar de desvalorizações e resgates espelharem essas tensões, o imobiliário foi o resistente.
O valor sob gestão dos organismos de investimento coletivo em valores mobiliários totalizou 11.455,0 milhões de euros, em março, segundo dados da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM). O montante representa uma perda de 1.452,7 milhões, ou seja 11,3% face a fevereiro.
“Penso que foi muito afetado pelas desvalorizações do mercado. Mais do que por resgates”, considera Virgílio Garcia, CEO da Sixty Degrees. Recém-chegada ao mercado português no início do ano, a gestora de ativos captou clientes, mas os atuais cinco milhões de euros em ativos sob gestão deixam-na atrás no objetivo de atingir 100 milhões a três anos.
“Após três meses de testes, começámos oficialmente em janeiro e aconteceu logo uma crise muito complicada. Agora, as coisas estão mais calmas, mas o que aí vem, em termos económicos, não vai passar assim tão rápido“, defende Garcia. Por considerar que o mercado estava à frente dos fundamentos, o CEO reduziu a exposição a ações a quase zero e conseguiu, assim, diminuir a perda: no primeiro trimestre desvalorizou menos de 1% e, desde então, já alcançou a linha de água.
Jerónimo Martins é o título preferido p

Fonte: https://eco.sapo.pt/2020/04/29/fundos-de-investimento-ja-perderam-15-mil-milhoes-devido-ao-virus-imobiliario-resistiu/