ATENÇÃO Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre o uso de cookies.

Acesso myCasaYES
Introduza os seus dados de acesso
entrar Acesso Negado!
» Recuperar password
Recuperar Password
Introduza o seu e-mail de acesso
  • »
  • »
  • »
  • »
  • »
sessão de comparação:
» Nova sessão
título da sessão: » Sessão existente
adicionar
Por favor preencha os campos obrigatórios
Registe-se no myCasaYES
Vantagens de ser um utilizador registado:
  • » Possibilidade de criar multiplas sessões de comparação em paralelo
  • » Possibilidade de adicionar imóveis a diferentes sessões de comparação já existentes
  • » Possibilidade de editar/customizar sessões de comparação
  • » Outras vantagens
  • » Registar / Entrar
Acompanhe-nos YouTube Vimeo

Localização:

Clique no mapa ou escreva o distrito, o concelho e/ou a freguesia
ToBuy Fields
ToRent Fields
ToVacationRent Fields
ToOtherBusiness Fields
menos opções
PT EN ES

Notícias

Lista das últimas novidades imobiliárias

ECONOMIA BRASILEIRA PODERÁ CRESCER 6,5 POR CENTO EM 2010

ECONOMIA BRASILEIRA PODERÁ CRESCER 6,5 POR CENTO EM 2010

19/11/2009

Fonte: Público

O ministro brasileiro da Fazenda, Guido Mantega, estimou que a economia do país pode crescer até aos 6,5 por cento em 2010 e que esta taxa anual pode manter-se até 2017.

“A partir de 2010, pode entrar-se num ciclo de crescimento equilibrado e sólido”, afirmou o ministro na terça-feira, num acto celebrado na sede da Confederação Nacional da Indústria do Brasil.

Mantega reiterou que o Brasil já “saiu” da crise financeira internacional e disse ainda que o ciclo de crescimento que o governo antecipa “pode ser ainda mais forte”.

O ministro disse também que a base de crescimento será, como foi no combate à crise global, no mercado interno, tanto em relação ao consumo como ao investimento.

No seu discurso, Guido Mantega citou um documento do banco Goldman Sachs que analisa a revalorização do real e admitiu que o ritmo de crescimento podia ser ainda maior se a moeda nacional não estivesse tão forte em relação ao dólar.

De acordo com o relatório do Goldman Sachs, o tipo de câmbio “ideal” para o Brasil seria 2,60 reais por dólar, em vez dos 1,70 actuais.

“Se fosse realmente essa a taxa de câmbio, o Brasil venceria a indústria chinesa e coreana”, arriscou Mantega.