ATENÇÃO Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre o uso de cookies.

Acesso myCasaYES
Introduza os seus dados de acesso
entrar Acesso Negado!
» Recuperar password
Recuperar Password
Introduza o seu e-mail de acesso
  • »
  • »
  • »
  • »
  • »
sessão de comparação:
» Nova sessão
título da sessão: » Sessão existente
adicionar
Por favor preencha os campos obrigatórios
Registe-se no myCasaYES
Vantagens de ser um utilizador registado:
  • » Possibilidade de criar multiplas sessões de comparação em paralelo
  • » Possibilidade de adicionar imóveis a diferentes sessões de comparação já existentes
  • » Possibilidade de editar/customizar sessões de comparação
  • » Outras vantagens
  • » Registar / Entrar
Acompanhe-nos YouTube Vimeo

Localização:

Clique no mapa ou escreva o distrito, o concelho e/ou a freguesia
ToBuy Fields
ToRent Fields
ToVacationRent Fields
ToOtherBusiness Fields
menos opções
PT EN ES

Notícias

Lista das últimas novidades imobiliárias

Procura de imóveis no Porto atinge os 39,6% e supera Lisboa pela primeira vez

Procura de imóveis no Porto atinge os 39,6% e supera Lisboa pela primeira vez

21-03-2017

Fonte: http://observador.pt

A Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal anunciou que o Porto é o distrito com maior procura imobiliária em 2017, situando-se nos 39,6%, ultrapassando Lisboa.

A Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal (APEMIP) anunciou esta segunda-feira que o Porto é o distrito com maior procura imobiliária em 2017, situando-se nos 39,6%, ultrapassando Lisboa em que foi de 23,1%. As intenções de compra no distrito do Porto aumentaram 17,5 pontos percentuais, desde 2014, ultrapassando, este ano, Lisboa, que se fixou nos 23,1% e Faro, que registou 11,2%.
Em comunicado, o presidente da APEMIP, Luís Lima, disse que com a retoma do setor imobiliário a procura focou-se, numa primeira fase, em Lisboa e “tem vindo a deslocar-se para outros distritos”, sobretudo o Porto, que agora lidera a procura de imóveis no mercado residencial. Luís Lima refere que os valores registados devem-se, em parte, ao aumento dos preços de mercado em Lisboa, que fizeram com que as intenções de compra se dirigissem para o Porto.
"À medida que a oferta for diminuindo, a procura irá deslocar-se para outras regiões do país, promovendo uma maior descentralização do investimento imobiliário”, concluiu.
Os dados disponibilizados pela APEMIP indicam que, em 2017, a oferta no mercado residencial em Lisboa e em Faro registou o valor mais baixo desde 2014, situando-se nos 10,1% e 7,5%, respetivamente. Já no Porto, a oferta imobiliária fixou-se nos 39,2%, um recuo face aos 42,3% registado em igual período do ano anterior.

A Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal (APEMIP) anunciou esta segunda-feira que o Porto é o distrito com maior procura imobiliária em 2017, situando-se nos 39,6%, ultrapassando Lisboa em que foi de 23,1%. As intenções de compra no distrito do Porto aumentaram 17,5 pontos percentuais, desde 2014, ultrapassando, este ano, Lisboa, que se fixou nos 23,1% e Faro, que registou 11,2%.
Em comunicado, o presidente da APEMIP, Luís Lima, disse que com a retoma do setor imobiliário a procura focou-se, numa primeira fase, em Lisboa e “tem vindo a deslocar-se para outros distritos”, sobretudo o Porto, que agora lidera a procura de imóveis no mercado residencial. Luís Lima refere que os valores registados devem-se, em parte, ao aumento dos preços de mercado em Lisboa, que fizeram com que as intenções de compra se dirigissem para o Porto.
"À medida que a oferta for diminuindo, a procura irá deslocar-se para outras regiões do país, promovendo uma maior descentralização do investimento imobiliário”, concluiu.
Os dados disponibilizados pela APEMIP indicam que, em 2017, a oferta no mercado residencial em Lisboa e em Faro registou o valor mais baixo desde 2014, situando-se nos 10,1% e 7,5%, respetivamente. Já no Porto, a oferta imobiliária fixou-se nos 39,2%, um recuo face aos 42,3% registado em igual período do ano anterior.