ATENÇÃO Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre o uso de cookies.

Acesso myCasaYES
Introduza os seus dados de acesso
entrar Acesso Negado!
» Recuperar password
Recuperar Password
Introduza o seu e-mail de acesso
  • »
  • »
  • »
  • »
  • »
sessão de comparação:
» Nova sessão
título da sessão: » Sessão existente
adicionar
Por favor preencha os campos obrigatórios
Registe-se no myCasaYES
Vantagens de ser um utilizador registado:
  • » Possibilidade de criar multiplas sessões de comparação em paralelo
  • » Possibilidade de adicionar imóveis a diferentes sessões de comparação já existentes
  • » Possibilidade de editar/customizar sessões de comparação
  • » Outras vantagens
  • » Registar / Entrar
Acompanhe-nos YouTube Vimeo

Localização:

Clique no mapa ou escreva o distrito, o concelho e/ou a freguesia
ToBuy Fields
ToRent Fields
ToVacationRent Fields
ToOtherBusiness Fields
menos opções
PT EN ES

Notícias

Lista das últimas novidades imobiliárias

Portugal com Segunda Maior Taxa de Proprietários Imobiliários

Portugal com Segunda Maior Taxa de Proprietários Imobiliários

17/10/2016

Fonte: http://noticias.cbre.pt/

Portugal é o segundo país com maior taxa de proprietários. Os dados são avançados pela CBRE, que apresenta pela primeira vez, um estudo sobre o mercado residencial na Europa, Médio Oriente e África.

Portugal ocupa o segundo lugar do ranking de maiores proprietários, com 74,2% de famílias com habitação própria e Espanha lidera com uma quota de 77,7%. Pelo contrário, na Alemanha e na Suíça, apenas 52,6% e 44% das casas, respetivamente, são detidas pelos seus ocupantes.
A discrepância estrutural entre os diversos mercados residenciais é demonstrada pelas diferenças no custo da habitação. Este indicador, medido pelo rendimento médio do agregado familiar, revela que em Lisboa o custo da habitação é dos mais elevados com um peso de 32% no rendimento familiar, quando comparado com os países em análise. Um valor superior a países como Alemanha, Áustria, Bélgica, Espanha, Finlândia, Holanda ou Suíça, e apenas mais baixo que Londres e Itália.
Nos mercados analisados, mais de 60% das famílias vive em casa própria, contudo, a análise dos índices de mercado, condições socioeconómicas e tendências demográficas revelam uma mudança estrutural complexa e profunda nos vários mercados de habitação.
Apesar da contínua globalização do setor imobiliário e do aumento da interacção entre mercados imobiliários e de capital, os mercados são ainda dominados por caraterísticas nacionais e regionais O peso dos investidores institucionais e a dimensão do mercado de arrendamento privado, em oposição a um mercado ainda muito controlado pelo estado, variam consideravelmente entre os diferentes países analisados e têm uma influência significativa na disponibilidade de unidades residenciais.
Este estudo analisa as caraterísticas de 16 países, na sua maioria europeia, de acordo com a económica e demografia de cada um. Também são analisadas as caraterísticas da oferta habitacional, a estrutura de propriedade de um imóvel, a atividade de promoção imobiliária, o volume de transações e as tendências nacionais de arrendamento e preços de compra. São destacados os perfis dos países através de entrevistas com especialistas de mercado, que comentam temas atualmente relevantes no sector da habitação, as tendências da oferta, procura e preços e os mercados em crescimento.

Portugal ocupa o segundo lugar do ranking de maiores proprietários, com 74,2% de famílias com habitação própria e Espanha lidera com uma quota de 77,7%. Pelo contrário, na Alemanha e na Suíça, apenas 52,6% e 44% das casas, respetivamente, são detidas pelos seus ocupantes.

A discrepância estrutural entre os diversos mercados residenciais é demonstrada pelas diferenças no custo da habitação. Este indicador, medido pelo rendimento médio do agregado familiar, revela que em Lisboa o custo da habitação é dos mais elevados com um peso de 32% no rendimento familiar, quando comparado com os países em análise. Um valor superior a países como Alemanha, Áustria, Bélgica, Espanha, Finlândia, Holanda ou Suíça, e apenas mais baixo que Londres e Itália.

Nos mercados analisados, mais de 60% das famílias vive em casa própria, contudo, a análise dos índices de mercado, condições socioeconómicas e tendências demográficas revelam uma mudança estrutural complexa e profunda nos vários mercados de habitação.

Apesar da contínua globalização do setor imobiliário e do aumento da interacção entre mercados imobiliários e de capital, os mercados são ainda dominados por caraterísticas nacionais e regionais O peso dos investidores institucionais e a dimensão do mercado de arrendamento privado, em oposição a um mercado ainda muito controlado pelo estado, variam consideravelmente entre os diferentes países analisados e têm uma influência significativa na disponibilidade de unidades residenciais.

Este estudo analisa as caraterísticas de 16 países, na sua maioria europeia, de acordo com a económica e demografia de cada um. Também são analisadas as caraterísticas da oferta habitacional, a estrutura de propriedade de um imóvel, a atividade de promoção imobiliária, o volume de transações e as tendências nacionais de arrendamento e preços de compra. São destacados os perfis dos países através de entrevistas com especialistas de mercado, que comentam temas atualmente relevantes no sector da habitação, as tendências da oferta, procura e preços e os mercados em crescimento.