ATENÇÃO Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre o uso de cookies.

Acesso myCasaYES
Introduza os seus dados de acesso
entrar Acesso Negado!
» Recuperar password
Recuperar Password
Introduza o seu e-mail de acesso
  • »
  • »
  • »
  • »
  • »
sessão de comparação:
» Nova sessão
título da sessão: » Sessão existente
adicionar
Por favor preencha os campos obrigatórios
Registe-se no myCasaYES
Vantagens de ser um utilizador registado:
  • » Possibilidade de criar multiplas sessões de comparação em paralelo
  • » Possibilidade de adicionar imóveis a diferentes sessões de comparação já existentes
  • » Possibilidade de editar/customizar sessões de comparação
  • » Outras vantagens
  • » Registar / Entrar
Acompanhe-nos YouTube Vimeo
Clique no mapa ou escreva aqui a localização onde pretende procurar... Pode ainda escrever o nome do concelho e/ou da freguesia... Pode ainda escrever o nome da freguesia...
Clique no mapa ou escreva o distrito, o concelho e/ou a freguesia
ToBuy Fields
ToRent Fields
ToVacationRent Fields
ToOtherBusiness Fields
menos opções
PT EN ES

Notícias

Lista das últimas novidades imobiliárias

“Nunca vai haver uma bolha imobiliária em Portugal”, diz Luís Lima

“Nunca vai haver uma bolha imobiliária em Portugal”, diz Luís Lima

19-05-2017

Fonte: https://www.idealista.pt

Luís Lima, presidente da da Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal (APEMIP), considera que o preço das casas está elevado em “algumas cidades do país”, mas descarta a existência de uma bolha imobiliária. 

Dados da Comissão Europeia indicam que o valor médio do imobiliário em Portugal subiu 7,6% em 2016 e que os preços da habitação recuperaram os valores pré-crise. Bruxelas vai, de resto, fazer recomendações ao país nos próximos dias.
“Em Portugal nunca vai haver uma bolha imobiliária. O que está a acontecer é que em algumas cidades do país, nomeadamente Lisboa e Porto, e numa parte do Algarve, há zonas específicas onde os preços, para mim, estão acima daquilo que é o valor razoável”, disse o líder da associação de mediadores, citado pela Rádio Renascença.
Luís Lima lembrou que já em 2008 se falava no risco da criação de uma bolha imobiliária, mas alertou para a importância de não se olhar para o setor imobiliário de igual forma a nível nacional: “Não é por zonas específicas que vai haver uma bolha imobiliária. Os preços estão muito caros nessas zonas, mas noutras há outros preços. Temos de nos lembrar o que já aconteceu em 2008: falava-se muito que iria haver uma bolha imobiliária e já na altura demonstrei que não podemos olhar para o imobiliário como sendo igual em todo o país”.
No que diz respeito ao mercado de arrendamento, Luís Lima reiterou que o mesmo não está dinamizado. “Andámos todos a discutir muito a questão da liberalização das rendas em vez de irmos àquilo que estava no preâmbulo da lei, que era a dinamização do mercado de arrendamento. Não fomos ao mais importante: criar confiança nos proprietários através da criação de um seguro de renda e a parte fiscal. Enquanto quem investe no mercado de arrendamento não for tributado pelo seu rendimento, pelo seu negócio, nunca vamos ter um verdadeiro mercado de arrendamento”, explicou.
O facto de haver falta de dinamização no mercado de arrendamento tradicional faz com que muitos proprietários optem atualmente por apostar no Alojamento Local (AL), que acaba por ser mais rentável. “Os proprietários apoiam-se no AL porque investem onde há mais rentabilidade. No arrendamento é completamente impossível investir com a carga fiscal que temos. É impossível atuar no mercado. Só o Estado é que pode, através das autarquias, atenuar esta dificuldade, senão a única hipótese dos jovens é comprar casa e isso não é para todos”, concluiu o líder da APEMIP.

Dados da Comissão Europeia indicam que o valor médio do imobiliário em Portugal subiu 7,6% em 2016 e que os preços da habitação recuperaram os valores pré-crise. Bruxelas vai, de resto, fazer recomendações ao país nos próximos dias.
“Em Portugal nunca vai haver uma bolha imobiliária. O que está a acontecer é que em algumas cidades do país, nomeadamente Lisboa e Porto, e numa parte do Algarve, há zonas específicas onde os preços, para mim, estão acima daquilo que é o valor razoável”, disse o líder da associação de mediadores, citado pela Rádio Renascença.
Luís Lima lembrou que já em 2008 se falava no risco da criação de uma bolha imobiliária, mas alertou para a importância de não se olhar para o setor imobiliário de igual forma a nível nacional: “Não é por zonas específicas que vai haver uma bolha imobiliária. Os preços estão muito caros nessas zonas, mas noutras há outros preços. Temos de nos lembrar o que já aconteceu em 2008: falava-se muito que iria haver uma bolha imobiliária e já na altura demonstrei que não podemos olhar para o imobiliário como sendo igual em todo o país”.
No que diz respeito ao mercado de arrendamento, Luís Lima reiterou que o mesmo não está dinamizado. “Andámos todos a discutir muito a questão da liberalização das rendas em vez de irmos àquilo que estava no preâmbulo da lei, que era a dinamização do mercado de arrendamento. Não fomos ao mais importante: criar confiança nos proprietários através da criação de um seguro de renda e a parte fiscal. Enquanto quem investe no mercado de arrendamento não for tributado pelo seu rendimento, pelo seu negócio, nunca vamos ter um verdadeiro mercado de arrendamento”, explicou.
O facto de haver falta de dinamização no mercado de arrendamento tradicional faz com que muitos proprietários optem atualmente por apostar no Alojamento Local (AL), que acaba por ser mais rentável. “Os proprietários apoiam-se no AL porque investem onde há mais rentabilidade. No arrendamento é completamente impossível investir com a carga fiscal que temos. É impossível atuar no mercado. Só o Estado é que pode, através das autarquias, atenuar esta dificuldade, senão a única hipótese dos jovens é comprar casa e isso não é para todos”, concluiu o líder da APEMIP.